terça-feira, 23 de outubro de 2012

Novo Livro do Pe. Zezinho: "Ser Um Entre Bilhões"




Mesmo com todos os acontecimentos dos últimos dias, em que Pe. Zezinho sofreu um AVC e se recupera bem, as Edições Paulinas lançaram esta semana o novo livro de autoria dele: "Ser Um entre bilhões".




Nesta obra, Pe. Zezinho desmistifica a importância do primeiro lugar, por isso sugere a alter-ajuda. O ser humano é chamado não apenas a ajudar a si mesmo, autoajuda, mas a ajudar ao outro, alter-ajuda, sair de si para cuidar do outro. O tema alter-ajuda sai do lugar comum que já tomou os vários livros de autoajuda. O autor faz um convite a sairmos de nós mesmos em diversas situações do dia a dia, deixando assim um "espaço" para o outro. É um convite à prudência e à percepção do outro. Não precisamos esmagar ninguém para conquistarmos o nosso lugar, mas somos chamados a viver em sociedade, respeitando a dignidade de cada um e buscando dar espaço a quem não tem. Para isso é necessário ascese e viver a mística da alteridade. Ao tratar sobre o tema da exposição na mídia, o autor afirma: "Sem negar os valores da constante atualização da pregação, o livro questiona simbolicamente o volume dos alto-falantes dos templos, as cornetas que obrigam toda a rua a ouvir o novo pregador, os holofotes que enchem de luz o pregador que nem por isso se mostra mais iluminado. O livro alterna-se entre o aplauso e o questionamento. Ao púlpito sobe-se e dele se desce, refletindo. Pregar, mais do que projeto pessoal, é graça de Deus e convite da Igreja". Os outros temas abordados, você descobrirá ao ler as páginas deste livro.   




Aqui vai uma canja do livro. Um pequeno trecho publicado no site oficial:

O Peso do ser eu mesmo

Posso ser pequeno e quase insignificante, mas não sou insignificante. Tenho meu peso. Eu significo, até mesmo quando não pareço pesar. E sou tanto mais significante quando mais aumento minha capacidade de resposta. Todo grão de areia tem seu peso. Eu, que sou um entre bilhões de humanos tenho o meu peso, você tem o seu, cada um de nós tem seu pondus. Por isso quando respondo e pondero, mostro meu peso. Quando uso de minha capacidade de ponderar e respondo começo a fazer a diferença. Deixo de ser número para ser agente de transformação.
Comparado ao peso da Terra, o grão de areia não é muito, mas ele é ponderável, pode ser pesado e junto a outros grãos pode mudar o fiel da balança. Até o Criador, ao nos criar, dotou-nos da capacidade de ponderar, responder, dizer sim ou dizer não. Não flutuamos no existir. Não somos seres etéreos. Temos nosso peso no chão em que pisamos, chão do qual fazemos parte.
Por isso, educar é ensinar a ponderar, a ter consciência do nosso peso, a suportar os nossos pesos, a responder e a corresponder. Família, escola, igrejas que não ensinam a ponderar falham na missão. Quem cria filhos, alunos ou crentes instintivos que deixam para os outros, principalmente para Deus a tarefa de ponderar, cria tiranos, fanáticos ou dependentes. Por isso diz Lucas que Maria ponderava… Elaborava o que via e guardava no coração. Era mulher de peso. Respondeu. Guardou a Palavra e a pôs em prática. Não é sem razão que os católicos acentuam o “sim” de Maria. Jesus a elogiou por isso. Não foi por seus seios e por seu ventre. Foi por sua ponderação e capacidade de responder. Ela sabia do seu peso e do seu lugar na História do Cristo. É o que se lê no Canto de Maria.
Mas Maria guardava todas estas coisas, ponderando-as em seu coração. (Lucas 2,19)
E aconteceu que, dizendo ele estas coisas, uma mulher dentre a multidão, levantando a voz, lhe disse: Bem-aventurado o ventre que te trouxe e os peitos em que mamaste. Mas ele disse: Antes bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a guardam. ( Lc 11,27-28)
Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha; E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e não caiu, porque estava edificada sobre a rocha. (Mateus 7, 24-25)

Eis aqui a serva do Senhor. Aconteça em mim o que diz a tua mensagem. ( cf Lc 1,38)
Maria é modelo para um católico que se sente um entre bilhões. O canto a ela atribuído, ainda que seja no seu todo muito semelhante ao de Ana de Elcana, mãe de Samuel, o canto mostra como a mãe de Jesus exerceu a auto- estima, sem cair em estima excessiva de si.
46 Disse então Maria: A minha alma engrandece ao Senhor,
47 E o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador;
48 Porque atentou para a pequenez de sua serva; pois eis que de agora em diante todas as gerações me chamarão bem-aventurada,
49 Porque em mim fez grandes coisas o Poderoso; Seu nome é santo.
50 E a sua misericórdia é de geração em geração Sobre os que o temem.
51 Com o seu braço agiu fortemente; dispersou os soberbos e desmascarou-os mostrando o que eles pensam.
52 Depôs os poderosos dos tronos e elevou os humildes.
53 Encheu de bens os que tinham fome, e despediu os ricos de mãos vazias.
54 Auxiliou a Israel seu servo, Recordando-se da sua misericórdia;
55 Como falou a nossos pais, Para com Abraão e a sua posteridade, para sempre.
56 E Maria ficou com ela quase três meses, e depois voltou para sua casa. ( Lc 1,46-56)
Maria comunicou-se, entendeu o peso que lhe punham nos ombros e correspondeu.
 

 Visualizar o produto nas Edições Paulinas

3 comentários:

  1. Agradeço a dica de meu amigo Pedro Augusto de Queiroz.

    ResponderExcluir
  2. Padre Zezinho foi meu diretor espiritual que me apresentou Jesus...Obrigada padre. Deus lhe abençoe!!!

    ResponderExcluir
  3. Por favor, eu encontrei este blog, na tentativa frustrada de um Livro no Qual a alguns anos eu li, e hoje observo que nenhum site ou mesmo blog fala sobre o mesmo, O nome deste livro é ENTRE DEUS E O MUNDO do Pe. Zezinho, este livro conta a história de João Leão Dehon um jovem rapaz que decide se tornar padre mais que durante sua vida no seminário, conhece uma jovem e se apaixona pela moça, os dois acabam se casando e tendo um filho, mais ainda existe dentro do coração de João Leão Dehon a chama do Sacerdocio, até que sua esposa morre ao dar a luz ao seu unico filho e então João Leão Dehon criar este filho sozinho, até que o mesmo se case, e então ele se torna um sacerdote, é uma linda história, este livro quem me deu foi uma irmã da congregação de Nossa Senhora e um certo dia quando eu emprestei para uma amiga ela nunca mais me devolveu, peço que se alguém tiver alguma pista deste livro me avisar, estou completamente desesperada atras deste livro. Me ajudem meu e-mail: alaispaixao@gmail.com, Ficarei muito grata pela ajuda!

    ResponderExcluir